4 minutos de leitura

Falar no futuro sem falar em tecnologia e inovação fica cada vez mais impossível. A tecnologia está por todos os cantos de nossa vida cotidiana e, a cada dia que passa, novas soluções vão tomando conta de nossas ações, das mais simples às mais complexas.

 

Mas o que são essas tecnologias que prometem mudar a forma como agimos e experimentamos o mundo? O que exatamente elas estão fazendo aqui e porque é tão importante ficar ligado nelas?

 

Tecnologias emergentes, o quê?

 

tecnologias emergentes

Não é isso.

 

O que chamamos de tecnologias emergentes em diversos de nossos conteúdos por aqui são os avanços nos diversos campos da tecnologia, fazendo surgir aplicações com recursos que auxiliam na nossa vida e transformam nossas formas de ver e agir no mundo. Exemplos de campos de novas tecnologias incluem tecnologia da informação, nanotecnologia, biotecnologia, ciência cognitiva, robótica e inteligência artificial. Já tratamos das 5 tecnologias emergentes mais relevantes no momento aqui.

 

De forma mais próxima, aplicativos de transporte como o 99taxi ou o Uber podem ser considerados tecnologias emergentes, porque utilizam da geolocalização e de aplicativos para funcionarem. Estas tecnologias estão no nosso dia a dia, são úteis e se tornam necessárias.

 

Tecnologias emergentes, pra que?

 

Pra inovar, é preciso romper com o que já existe.

 

Lidar com tecnologias emergentes é um desafio. Isso porque é difícil descobrir se determinado fenômeno tecnológico que está surgindo é exagero, tendência ou tsunami. Por outro lado, o mercado está cada vez mais complexo e competitivo, forçando empresas e pessoas a inovarem constantemente.

 

As tecnologias emergentes tem potencial de criar e reestruturar indústrias em ritmo cada vez mais acelerado, tornando obsoletas práticas tradicionais e provocando a tal disrupção digital, termo termo que tem tomado força nos últimos anos. Nosso papel nisso tudo é não ser mais uma resistência à mudanças, mas incentivar e correr ao lado delas para poder transformar o mundo para melhor a partir delas.

 

Tecnologias emergentes, quem?

 

Um documento que mostra claramente que estamos próximo do “tipping point” de adoção de várias tecnologias que mudarão de forma dramática o cenário de negócios nos próximos 10 a 15 anos é o “Deep Shift Technology Tipping Points and Societal Impact”, publicado pelo World Economic Forum.

 

O interessante do relatório é a forma de agrupar as diversas tecnologias em três macro tendências, que sintetizam o caminho da evolução tecnológica para os próximos anos. Essas tendências são:

 

Experiências imersivas: O que Gartner chamou de “transparently immersive experiences”, é o conjunto de tecnologias que estão se tornando mais “human-centric”, centradas no ser humano, e com isso tornando cada vez mais invisível, fluída e contextual as relações da tecnologia com as pessoas, objetos e empresas. Entre elas estão a realidade virtual e a realidade aumentada. O caso do Pokémon mostrou na prática que realidade aumentada já é realidade. Também começam a aparecer evoluções de tecnologias que já tem 30 anos, mas ainda pouco usadas aqui no Brasil como as impressoras 3D. Já vemos até as impressoras 4D despontando.

 

Máquinas inteligentes: Máquinas inteligentes, ocultas em assistentes pessoais como Google Now, veículos autônomos e robôs, suportados por algoritmos sofisticados, machine learning e técnicas de linguagem natural serão lugar comum. Algoritmos inteligentes já estão inseridas nas nossas atividades diárias e nem percebemos disso. Quando vemos um filme no Netflix ou encomendamos um livro na Amazon, por trás dessa escolha tem a influência de algoritmos de recomendação. A sugestão de caminho proposto pelo Waze ou a precificação de uma corrida pelo Uber também são baseados em algoritmos. Aprovação ou negação de créditos são baseados em algoritmos. Preços dinâmicos para passagens aéreas são estipulados por algoritmos. A onipresente busca que fazemos no motor de busca do Google é um sistema de IA. Mais da metade das ações em bolsa transacionadas nos EUA já são comandadas por algoritmos. Pesquisadores já apontam que uma máquina HLMI (Human-level machine intelligence), que pode ser definida como um computador que poderá efetuar a maioria das profissões humanas ao menos tão bem quanto um ser humano, tem 50% de chance de ser alcançada em torno de 2050.

 

Revolução das plataformas: O deslocamento da infraestrutura tecnológica para ecossistemas (que começou primitivamente com cloud computing) e irá se aprofundar com tecnologias como Blockchain e SoftwareDefined Anything (SDx) vai criar as fundações para criação de novos modelos de negócio, criando uma ponte invisível e intuitiva entre nós e as tecnologias.

 

Não dá para não ficar curioso com o que está por vir não é? Mas e se você fizesse parte dessa transformação? Nós preparamos um bootcamp de 8 semanas para você mergulhar nas tecnologias emergentes na prática e vir mudar o mundo com a gente. Conheça mais sobre o bootcamp aqui! Veja também os outros bootcamps da Mastertech disponíveis para você. 🙂

 

Tecnologias emergentes: o que são e porque dar atenção para elas agora?
Avalie esse post
Você pode também gostar