O sexismo ainda está em todos os lugares da indústria, especialmente na tecnologia, dominada pelos homens. Segundo pesquisa realizada em 2013, as mulheres são apenas 11,2% dos desenvolvedores, e nem isso pode ser notado por completo, já que muitas delas escondem o gênero para que recebam mais aprovações em seus códigos.

 

Pesquisadores descobriram que, no GitHub, os códigos escritos por mulheres são mais aprovados do que os escritos por homens, mas isso acontece apenas quando o gênero dos programadores não é divulgado.

 

Quando as mulheres têm de esconder seu gênero para serem programadoras, estamos indo pelo caminho errado.

 

O GitHub é um repositório gigante de código utilizado por mais de 12 milhões de pessoas. Os desenvolvedores podem colaborar em projetos, inspecionar o trabalho dos outros e sugerir melhorias ou soluções para problemas. Quando um desenvolvedor escreve um código para o projeto de outra pessoa, recebe o nome de “pull request”. O dono do código pode, então, decidir se aceita ou não o código proposto.

 

Os pesquisadores observaram aproximadamente três milhões de pull requests no GitHub e descobriram que os códigos escritos por mulheres tinham uma maior taxa de aceitação (78,6%) do que dos homens (74,6%). E isso nada tinha a ver com mulheres fazendo pequenas alterações no código ou mulheres se saindo melhor do que os homens somente em certos tipos de códigos.

 

A pesquisa gerou discussão sobre o cenário das mulheres na programação e o respeito com relação ao gênero dentro do mundo open source. Afinal, os homens ainda recebem salários 30% maiores do que as mulheres no Brasil. A questão urgente também se expande para o setor da tecnologia, onde a atuação de mulheres é pouco expressiva.

 

Segundo Maria Klawe, presidente do Harvey Mudd College, os três motivos que as próprias mulheres alegam para não entrarem no mercado de tecnologia são: falta de interesse, não acreditarem ser boas em tecnologia e não acharem que irão trabalhar com pessoas com as quais se sentiriam confortáveis ou felizes.

 

Os motivos podem ser compreendidos a partir da falta de incentivo dado às mulheres para entender de tecnologia e conhecer este mundo desde o início da vida. O importante aqui sempre será que as mulheres que decidam não seguir este caminho, o façam por vontade própria, depois de já terem sido introduzidas a esse mundo de alguma forma.  E para as mulheres que já atuam na área, que sejam reconhecidas com cargos maiores, salários similares e tantas aprovações quanto forem as merecidas para os seus trabalhos em programação, independente de gênero.

 

mulheres na tecnologia

 

É mulher e quer começar a empreender na área de tecnologia com o seu negócio? A Camila Achutti vai falar com você no workshop Empreendedorismo para mulheres do dia 23/03, em São Paulo. Chega aqui fazer sua inscrição e colocar seu nome e gênero no mundo!

 

Os dados e informações deste post você pode encontrar aqui.

 

 

 

Mulheres na tecnologia: esconder o gênero não é o caminho!
5 (100%) - 2 votos
Você pode também gostar