Aperte "enter" para ver os resultados ou "esc" para cancelar.

Como a Mastertech ajudou a alavancar o BossaBox com 12 ex-alunos de Front-end Web

Esse texto foi redigido por Giovanni Salvador, do BossaBox.

 

Como a Mastertech ajudou o BossaBox — uma plataforma de desenvolvimento e design de software — a conseguir seus primeiros 12 prolancers? E por que o BossaBox passou a enxergar na Mastertech uma excelente fonte de formação de desenvolvedores e designers entre as alternativas que existem hoje?

 

A ideia desse relato é mostrar um case que aconteceu comigo e com o BossaBox, a startup que fundei há 1 ano com dois amigos para resolver o problema de desenvolvimento de software que existe no Brasil. Quero contar um pouco sobre o impacto de uma conversa de 45 minutos com o Felipe Barreiros, CEO da Mastertech. O BossaBox era uma startup recém criada que já tinha gerado mais de 100 leads, mas que ainda não tinha a força de trabalho necessária para desenvolver projetos e, por isso, sem confiança para fechar as primeiras vendas.

 

Como e por que esse impacto aconteceu?

 

Começou com um simples e-mail despretensioso que enviei em resposta à newsLetter da Mastertech. O e-mail era:

 

“Fala, pessoal, tudo bem? Recebo a newsletter de vocês e acompanho vocês de longe e estou achando show o trabalho e o crescimento de vocês! Sou fundador do BossaBox, uma plataforma de desenvolvimento de software. Nós operamos desenvolvimento 100% via web. Estou procurando uma alternativa de capacitação dos nossos freelancers. E vi na Mastertech uma pegada que pode funcionar muito com eles. Poderíamos tomar um café?”

 

E fui muito bem recepcionado. Em um e-mail enviado para a “Newsletter da Mastertech” (como vem nomeado na caixa de entrada) não esperava que iria funcionar. Logo em seguida o pessoal já me respondeu me direcionado para o Felipe, que foi igualmente receptivo e me respondeu para marcarmos o café. Trocamos ideias, bons insights e, ao final da nossa conversa, perguntei pra ele se ele conseguiria nos conectar com alguns ex-alunos para podermos começar a atender os clientes que estão entrando no BossaBox e ficando retidos por não termos capacidade de atendê-los.

 

O Felipe se propôs a ajudar e pediu para enviarmos um material explicando a proposta de valor que ele iria disparar para alguns ex-alunos. Estávamos tentando traçar estratégias, meios, canais, mensagens para freelancers para conseguirmos sair do zero. Quando começamos o BossaBox, sabíamos como conseguir clientes – devido ao fato de o BossaBox já ser um pivot de outra empresa – e talvez até soubéssemos como conseguir os primeiros funcionários. Mas como achar, qualificar e trabalhar com freelancers de desenvolvimento e design que chegariam de forma 100% online em nossa plataforma, sem ter qualquer tipo de contato presencial e passar um projeto para essa pessoa, isso era um novo desafio.

 

Cheguei ao escritório — que ainda era a casa de um dos sócios — trabalhamos no material e enviei ao Felipe. Algumas horas após o envio, entravam os primeiros desenvolvedores do BossaBox. Eram 2 no primeiro dia, 5 no segundo, 8 no terceiro e, em 6 dias, saímos do zero e tínhamos 12 prolancers.

 

Sim, prolancers. Freelancers, como diz o nome, têm como princípio do trabalho a liberdade meio que absoluta. Prolancers são freelancers profissionais, capacitados e com o objetivo de levar aquilo como um trabalho sério, estilo de vida e dispostos a cumprir prazos, tarefas, qualidade e etc. Assim que classificamos nossos profissionais que, sim, ainda desfrutam de liberdade. Trabalham quando querem e onde querem, desfrutam de autonomia durante os projetos e têm apenas que cumprir o prazo e qualidade que foram acordados no início do projeto.

 

12 parece pouco, mas pense que o ticket médio pode variar entre R$2.000 e R$15.000 por projeto, e cada projeto tem de 1 a 2 prolancers. Nossa capacidade operacional passou de zero a um potencial de quase R$30.000 por mês, se conseguíssemos colocar todos em projetos simultâneos. É claro que as coisas não funcionam de forma tão simples assim. Mas o que interessa é que depois disso tínhamos potencial de cumprir nossa proposta de valor. Foi o que fizemos dali em diante. Agora conseguimos atingir boas receitas ao longo dos últimos meses. O mais interessante é que nossa conversa aconteceu a menos de 5 meses ou seja, tivemos ótimos resultados.  

 

A força de trabalho do BossaBox: os prolancers e profissionais do futuro

 

Por que usar nomenclaturas diferentes nesse caso? Fez sentido?

 

Pense: as empresas que fazem software no Brasil e fora dele têm quais características entre seus funcionários de desenvolvimento e design? Ou são CTL (a menor parte), ou são Pessoa Jurídica (a maior parte, visto que o setor de TI é um dos que mais contrata nesse formato. 53% da força de trabalho, para ser mais exato, segundo a pesquisa da Grant Thornton, feita em 45 países com mais de 3,3 mil líderes empresariais). Em empresas de TI puro, a menor parte trabalha no modelo de freelancing.

 

Agora quero que entenda o sentido que existe nessa distinção. Os desenvolvedores e designers trabalham sempre das 8h às 17h? Preferem estar sempre no mesmo lugar, com as mesmas pessoas, usando as mesmas tecnologias? De que modo o modelo de trabalho atual reflete de fato o perfil dos profissionais tão aclamados pelo mercado de TI? Esse é o sentido da distinção. É uma mudança de mentalidade, de paradigma, do status quo.

 

Nós, do BossaBox assim como acredita o pessoal da Mastertech, queremos criar um ambiente de trabalho e um conteúdo de capacitação que seja realmente aderente ao perfil dos profissionais que buscamos ter perto de nós. Eles devem aprender uma série de tecnologias diferentes, devem poder trabalhar às 3h da manhã na praia, fora do país ou de onde quiserem. Devem poder trabalhar com diferentes tecnologias e ter diferentes desafios a cada projeto. Devem ajudar a construir esse novo ecossistema de trabalho que vem se formando ao redor das Organizações Exponenciais — aquelas que são 10x mais rápidas, 10x melhores e 10x mais baratas que as organizações tradicionais.  

 

Mastertech e BossaBox são plataformas criadas para profissionais do futuro

 

A Mastertech nasceu para capacitar os profissionais para o trabalho do futuro. O BossaBox nasceu para empregar os profissionais do futuro. Acreditamos em um formato de trabalho que esteja à frente, que possibilite que se tenha vida pessoal, que se ganhe um bom dinheiro e que o trabalho tenha sentido.

 

Você quer ser transformado para transformar? Faz um curso na Mastertech e vire um Prolancer, tenha sua independência. Hoje existe um caminho pelo qual é possível se ter paixão, propósito e ao mesmo tempo ganhar dinheiro. Afinal, você estará criando valor para a sociedade.

 

5 (100%) - 2 votos