Aperte "enter" para ver os resultados ou "esc" para cancelar.

Como é um dia típico na vida de um programador júnior?

O negócio sobre programação é que, na maioria das vezes que pensamos na vida de um programador, seja qual for a função, imaginamos a mesma coisa: horas e horas em frente ao computador desenvolvendo aqueles sites que tanto gostamos ou aplicativos que não saem do nosso celular. Foram esses e outros mitos que derrubamos aqui.

 

Agilidade, flexibilidade, organização, criatividade, comunicação e pensamento racional. Poucas pessoas imaginam que essas habilidades são tão importantes quanto a técnica e que fazem toda a diferença no dia-a-dia da profissão. E isso não se consegue da noite para o dia. É só na rotina que se exercitam os conhecimentos e é sobre essa rotina misteriosa de um programador júnior que vamos falar aqui.

 

Qual a diferença entre programador júnior, pleno e sênior?

 

Primeiro é preciso entender quem é o programador júnior com base nas três classificações do mercado. Segundo o padrão, essa classificação se dá principalmente por tempo de experiência, mas é importante destacar que, cada vez mais, o valor das experiências e habilidades estão substituindo o tempo. Hoje, profissionais recém-graduados ou com cursos de especialização fora da graduação já estão ocupando cargos plenos e sênior de diversas empresas.

 

Nível Tempo de experiência Formação Responsabilidades
Trainee 2 a 2 anos e meio Recém-graduado Tarefas de pequena ou média complexidade em área(s) específica(s). Elabora projetos (sob supervisão)
Junior (JR) até 5 anos Recém-graduado Funções de procedimentos simples ou que não exigem profundo conhecimento em um ramo de atuação
Pleno (PL) 6 a 9 anos Pós-graduado Atividades específicas, que exigem profundo conhecimento. Toma decisões endossadas por um superior.
Sênior (SR) a partir de 10 anos Pós-graduado + Gestor Toma decisões. Age de forma autônoma, com base no conhecimento e experiências adquiridos ao longo da carreira. Gere pessoas e projetos.
Master 15 anos ou mais Pós-graduado + Gestor + Certificações Atua fora do processo de supervisão ou por demandas. Gere projetos / negócios. Possui autonomia plena.

Tabela retirada de Oficina da Net

 

O que faz um programador júnior?

 

 

Como é fácil notar por esse vídeo, trabalhar com desenvolvimento significa identificar e resolver problemas a partir de soluções digitais. Isso nem sempre resulta em uma plataforma ou aplicativo, muito menos em um dia de trabalho previsível, mas indica uma boa noção de estrutura, linguagens de programação e raciocínio.

 

Um programador júnior, na maioria dos relatos, passa a maioria do seu tempo consertando bugs e checando o funcionamento de sistemas. Por isso é tão importante conhecer mais do que só uma linguagem de programação, ter familiaridade com diferentes ferramentas.

 

Um dos casos comuns são programadores que acreditam que conhecendo somente a linguagem Swift já será possível trabalhar com apps para iOS, mas não é bem assim. Ainda que seja possível desenvolver somente a partir de Swift, para ter contato um emprego como desenvolvedor de aplicativos é preciso conhecer Objective-C.

 

O importante é perceber que, para ser um programador júnior, não é preciso chegar com a bagagem cheia: você irá preencher ela com o passar do tempo. O essencial é ter vontade de conhecer cada vez mais e determinação para não desistir no primeiro, nem no segundo desafio. A passagem de júnior para sênior tem muito mais a ver com capacidades de gestão, facilidade de aprendizado e pensamento estratégico do que com habilidades técnicas.

 

Ainda não tem nenhuma habilidade técnica de programação? Em um final de semana nós te ajudamos a entrar em um contato imersivo nesse universo, fazer seu próprio site e aplicativo! O Aprenda a programar em um final de semana está com turmas abertas para Manaus e São Paulo, é só clicar aqui pra dar uma olhada na experiência. 😉

 

carreira em tecnologia

Avalie esse post