Aperte "enter" para ver os resultados ou "esc" para cancelar.

Se junte as mulheres empreendedoras e transforme o mundo!

O empreendedorismo feminino, tão pouco estimulado há até alguns anos atrás, vem crescendo exponencialmente e com toda a força de um grupo social que não se deixa abater.

 

As mulheres estão cada vez mais se permitindo (e sendo permitidas) a despertar interesse pelo empreendedorismo e por tomar a dianteira nos negócios. Segundo dados de pesquisa realizada pela Serasa Experian, o Brasil já conta com um contingente de mais de 5,7 milhões de mulheres empreendedoras, o que significa, aproximadamente, 8% da população feminina brasileira.

 

Outro dado interessante da pesquisa indica que, do total de empresas ativas no país, 30% delas têm mulheres como sócias. O relatório mostra ainda que 59% das empreendedoras brasileiras estão na classificação de pequenas e médias empresas e 11% são sócias de grandes empresas.

 

Nos últimos quatorze anos, o número de empresárias subiu 34%, segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Em 2014, o País tinha 7,9 milhões de empresárias. Mais interessante do que isso: quatro em cada dez lares brasileiros são chefiados por mulheres, conforme dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). Dessas, 41% são donas de negócios próprios.

 

Um levantamento do Sebrae traçou o perfil das empresárias, que são sobretudo jovens: 40% delas são mulheres com menos de 34 anos que estão concentradas principalmente em quatro áreas de atuação: restaurantes (16%), serviços domésticos (16%), cabeleireiros (13%) e comércio de cosméticos (9%). A maior parte ainda empreende dentro de casa (35%), o ambiente no qual são inseridas socialmente.

 

A luta continua para mais mulheres empreendedoras

 

Claro que os problemas ainda existem. Mulheres empreendedoras ganham salários mais baixos do que homens nos mesmos cargos de atuação e sofrem preconceitos com relação ao gênero, sendo questionadas por suas posições de destaque nas empresas.

 

Alguns dos problemas que ainda permanecem são: baixa autoconfiança e crença em seu potencial empreendedor, falta de apoio de familiares ou amigos, discriminação de gênero em um ambiente predominantemente masculino e a dupla jornada de trabalho das mulheres ao cuidar do lar, dos filhos e dos negócios. E precisamos juntas vencer tudo isso.

 

Nós já falamos aqui do quanto é importante e significativo para nós termos mais mulheres em setores como o de programação, predominantemente masculino. A Camila Achutti, CTO aqui da Mastertech é uma das pioneiras desse movimento no Brasil e vem incentivando cada vez mais mulheres a entrar na tecnologia com a plataforma Mulheres na Computação.

 

Para além desse setor, qualquer área de trabalho deve ser igualitária nas questões de gênero e incentivar o trabalho de mulheres tão competentes quanto os homens. Cada vez mais as mulheres demonstram seu potencial de liderar negócios, comunicar com facilidade suas finalidades, dar e receber suporte por parte de cada equipe.

 

Quer fazer parte de tudo isso e fortalecer o movimento das mulheres empreendedoras? Vem conhecer os cursos da Mastertech e vivenciar aprendizados para entrar no mercado de trabalho com mulheres tão empoderadas quanto você!

 

 

 

5 (100%) - 1 voto
  • Daiane – AmeninadoT.I

    Sim, mas como faço para me juntar?