A cultura empresarial atual, com menores barreiras financeiras para o lançamento de um negócio e o crescente desejo das pessoas por flexibilidade, liberdade e propósito em seu trabalho, formou toda uma geração de jovens empresas que rapidamente expandiram e revolucionaram uma ampla gama de setores. Várias dessas empresas, como a Airbnb e a Uber, alcançaram um crescimento explosivo e evoluíram para conglomerados genuínos nos últimos anos.

 

Enquanto isso, as organizações mais antigas que buscam se manter relevantes e prosperar, estão se esforçando para descobrir as práticas que permitem que essas startups se sobressaiam e como suas corporações podem adotá-las para recuperar o atraso.

 

No comando dessa mudança de paradigma está Eric Ries, autor de The Lean Startup e líder do movimento de mesmo nome. A ideologia Lean Startup se concentra principalmente em como as startups podem aplicar práticas das metodologias de manufatura japonesas para serem mais eficientes com capital humano e criatividade.

 

Em seu livro mais recente, The Startup Way, Ries superou a lacuna desses aprendizados do domínio de startups para o mundo maior das grandes empresas, ajudando grandes empresas a inovar, adquirir, reter talentos e aumentar a receita. Com insights sobre as práticas de centrais históricas como a GE e a Toyota, além de disruptores mais recentes, como o Twilio e o Facebook, o The Startup Way fornece práticas de gerenciamento para organizações de todos os portes. Aqui estão algumas de suas principais dicas para empresas estabelecidas que procuram alavancar práticas de startups para evoluir e expandir seus negócios.

 

Cultivar a força de trabalho deve começar com responsabilidade, não novos contratos

 

Muitos líderes empresariais acham que o sucesso acontece apenas contratando funcionários de alto nível de empresas de alto nível. Ries adverte que o cultivo de equipes fortes não é tão simples.

 

“Se você está insatisfeito com os resultados de inovação que está obtendo, a coisa mais natural que as pessoas fazem é ir de cima para baixo, simplesmente substituindo as pessoas”, explica Ries. “Eles tentam contratar um empreendedor ou adquirir uma startup ou colocar algum tipo de cartaz motivacional – o que é um absurdo.”

 

Ries descreve quatro camadas de prioridades que as empresas devem abordar para garantir que elas estejam crescendo e mantendo uma força de trabalho talentosa e confiável:

 

1. Responsabilidade

 

Primeiro, as empresas precisam manter os funcionários atuais responsáveis ​​por meio de metas e sistemas de remuneração claramente definidos. Para construí-los, as organizações devem fazer um inventário de seus recursos, incluindo orçamento geral e oportunidades para promover a equipe atual e determinar o que é possível logisticamente. Com responsabilidades e incentivos claramente delineados, os funcionários estarão mais motivados para contribuir com as metas de curto e longo prazo da organização.

 

2. Processo

 

A partir daí, as empresas podem criar processos informados que determinam como eles lidam com as decisões e trabalham no dia-a-dia. Para que um funcionário contribua para uma meta de toda a empresa, ele deve entender como a organização mais ampla opera e como sua função específica pode contribuir. Por exemplo, se a meta do funcionário mencionado acima é aumentar em 10% os leads em vendas e o funcionário se sentir motivado pela oferta de um bônus de R$1.000 após sua conclusão, ele só terá êxito se entender as partes interessadas e os processos corretos que possam interagir com esse objetivo.

 

3. Cultura

 

Os novos contratados não corrigem os problemas de uma empresa se a empresa não promove um ambiente propício para mantê-los a longo prazo, argumenta Ries. Ele diz que os locais de trabalho que se concentram em uma troca aberta de ideias e oportunidades de aprendizagem estão em melhor posição para atrair e manter indivíduos talentosos. Essas pessoas querem trabalhar em algum lugar onde possam ter influência e crescer pessoalmente.

 

“Se você deseja atrair os melhores dos melhores, eles têm que acreditar que terão um impacto significativo com suas próprias ideias na empresa”, explica ele. Ries também incentiva as empresas a se concentrarem em investir em educação contínua para os funcionários. Os empregadores que incentivam os funcionários a aprender novas habilidades e colaborar não apenas satisfazem o desejo de crescimento profissional dos funcionários, mas também aumentam o talento existente dentro da empresa.

 

Um benefício em adotar as etapas acima é que você pode expor talentos ocultos em sua organização, capacitando os funcionários a ingressar em equipes e a assumir as tarefas mais alinhadas aos seus pontos fortes. Esta é uma prática comum em startups em crescimento, onde funções e deveres podem mudar rapidamente.

 

Os funcionários muitas vezes usam enfrentam diversas funções por necessidade, para lidar com diferentes situações de negócio, muitas vezes impulsionados por quaisquer habilidades em que são bons. Quando os funcionários sabem como ter sucesso dentro de uma organização e têm oportunidades de destacar seus pontos fortes, eles podem assumir o trabalho que fornece o maior valor organizacional.

 

“O que eu vi é notável”, diz Ries. “Quando você muda as estruturas em torno das pessoas, você descobre talentos em seu meio que você nem sabia que tinha.”

 

Uma forma de expor esse talento é incentivar continuamente os funcionários a desenvolver novas habilidades e garantir que sua cultura valorize a educação continuada e o crescimento pessoal. Na Mastertech você encontra cursos que podem te ajudar nisso. Assista o vídeo abaixo e acesse aqui para conhecer nosso trabalho!

 

 

5 lições de startups que servem para o empreendedorismo
Avalie esse post
Você pode também gostar