Aperte "enter" para ver os resultados ou "esc" para cancelar.

4 passos para um marketing de conteúdo decente

A febre do marketing de conteúdo veio para ficar, mas faz muitas organizações se perderem pelo caminho. Se sua tentativa de gerar milhares de conteúdos para conseguir milhares de leads não está funcionando, é melhor dar um passinho para trás e checar essa estratégia com a gente.

 

Inbound Marketing e a produção de conteúdo

 

Segundo dados de pesquisa do Demand Metric, o marketing de conteúdo utilizado pelo inbound gera aproximadamente 3 vezes mais leads do que o marketing tradicional, custando 62% menos. O inbound marketing, também conhecido como marketing de entrada, marketing de atração ou novo marketing, é uma forma mais respeitosa, humana e menos intrusiva de tratar o consumidor.

 

A base para que isso seja efetivo é a segmentação e nutrição dos leads. Quem gosta de gatos vai receber conteúdos indicando como cuidar de seu gatinho, quem gosta de jogos vai receber conteúdos com dicas para jogar seu game favorito, quem gosta de bolsas vai receber conteúdos indicando formas de manter a bolsa organizada por mais tempo e assim por diante. Tudo com um valor verdadeiro e não superficial, chegando ao público certo.

 

Para começar a pensar no marketing de conteúdo por meio da lógica do Inbound Marketing, aqui estão quatro exercícios simples que vão te ajudar a validar suas táticas de geração de conteúdo e entender o que está dando errado. E lembre-se: seu conteúdo é tudo que você cria em direção ao seu público-alvo. Tudo mesmo, não importa o formato.

 

1. Sua assinatura de e-mail tem identificação de marca?

 

Começa por aí. Todos os seus conteúdos, não importa de onde eles vieram, precisam mostrar de que se tratam. Isso não significa que você vai vender seu produto e serviço em tudo o que faz, mas que vai destacar sua marca de alguma forma por trás de informações ricas e úteis para o seu público.

 

Pode ser as cores de seu logotipo, a marca, a linguagem, o formato. Crie personalidade e seja compartilhado. Só depois que você for tão reconhecido como a fonte da Coca-cola você pode deixar de mencionar seu nome no que está fazendo.

 

2. Anote todas as formas de conteúdo que sua empresa possui a disposição hoje

 

Sim, desde postagens em redes sociais como LinkedIn, Facebook, Twitter, Instagram, até e-mail marketing, blog, vídeos, entre outros. Analise um por um fazendo a pergunta: “O meu público aceita e se interessa por esse formato de conteúdo?”, “Como conversar com ele nesse meio?”. Aqui estão algumas ideias para sua lista:

 

  • E-mail, blog, newsletter, vídeo, áudio, fotografia, infográfico, entrevista, chats, aprendizado, instruções, fóruns, mídias sociais.

 

3. Quais novos tipos de conteúdo você pode produzir?

 

Claro que nem sempre é possível estar presente em todos esses canais, e muitas vezes isso nem é recomendado. Alguns negócios já são propícios para tipos específicos de plataformas e formatos. Na Mastertech, por exemplo, já possuímos mais facilidade para criar conteúdos em vídeo, já que oferecemos diversos cursos online, temos as ferramentas e a experiência.

 

Encontre os tipos de conteúdo que já entram no fluxo das atividades do seu negócio e que já conversam diretamente com o tipo de público que consome seus produtos ou serviços. Comece por aí e veja no que isso vai dar!

 

4. Como você pode usar todo esse conteúdo amanhã?  

 

Quando você tiver todos esses conteúdos na ponta dos dedos, chega a hora de pensar na repercussão deles para o futuro. Identifique quais conteúdos podem ser replicados em outras plataformas, complementados com o tempo, reproduzidos de outras formas e utilizados para propósitos que te ajudem a espalhar a palavra.

 

Como toda estratégia de sucesso, são os detalhes que conquistam a grandeza. Veja seus últimos conteúdos e tente tirar o máximo deles. Comece com sua finalidade em mente e seu marketing de conteúdo vai sair do comum para o extraordinário.

 

Avalie esse post