5 minutos de leitura

A habilidade de resolver problemas complexos de forma eficiente é essencial para qualquer empresa ou profissional. No cenário em que vivemos hoje, sustentado pela tecnologia, a velocidade e a inovação unidas são as principais características para bons resultados.

 

O processo de Design Sprint desenvolvido na Google Ventures nasceu dentro desse cenário pensando em como revolucionar o mercado de forma efetiva e rápida. Criar protótipos e testes, lançar novos produtos, desenvolver novas estratégias, explorar novos mercados e muito mais é o que o Google Design Sprint pode fazer por você.

 

design sprint

 

O que é o Google Design Sprint?

 

Popularizado pelo livro “Sprint”, escrito por Jane Knapp, o processo Design Sprint revolucionou a maneira como os produtos são lançados no mercado. A metodologia que une Design Thinking e Métodos Ágeis se baseia em um processo colaborativo de cinco dias utilizado pelo Google para responder questões críticas de negócio por meio do design, prototipação e teste de ideias com os clientes.

 

 

Desenvolvido na Google Ventures e testado por milhares de empresas, o Design Sprint é um processo que ajuda a melhorar a experiência do usuário e os resultados do seu produto. E isso não se restringe apenas a produtos ligados à tecnologia: qualquer time pode utilizá-lo como ferramenta de estratégia de negócio, inovação, ciência comportamental e design thinking.

 

Se você faz parte de uma startup, equipes ágeis, trabalha com UX design, é desenvolvedor, analista de negócios, empreendedor, gestor de algum campo ou faz parte de qualquer outro cargo que envolva o desenvolvimento de produtos, o Design Sprint pode te ajudar.

 

Vantagens de utilizar a metodologia de Design Sprint para projetos

 

Utilizar o Design Sprint é como ganhar um novo super poder de avançar para o futuro para ver como seu produto finalizado se comportaria e avaliar as reações dos usuários, antes de investir pesado em sua construção.

 

“O processo Sprint dá superpoderes às startups. Elas podem antever os produtos acabados e a reação dos consumidores antes mesmo que qualquer investimento substancial seja realizado.”

 

— Jake Knapp, autor do livro Sprint

 

Com essa metodologia, além de potencializar a inovação dentro de suas equipes, diversas outras vantagens beneficiam o projeto. Com o Design Sprint você consegue:

 

  • Evitar discussões prolongadas e sair da ideia ao teste com usuários em apenas 5 dias;
  • Reduzir os riscos de criação de novas funcionalidades que não sejam realmente úteis;
  • Reunir informações importantes antes de começar um projeto;
  • Esboçar ideias de forma colaborativa;
  • Otimizar decisões como foco nas funcionalidades de maior impacto;
  • Realizar entrevistas e testes com usuários;

 

Como funciona o processo Google Design Sprint?

 

 

O Design Sprint é formado por etapas que ampliam e focam na visão do problema durante cada dia de sua duração. Antes de começar, reúna sua equipe e escolha o problema a ser resolvido. Com todos alinhados pelo mesmo objetivo, garanta uma semana totalmente dedicada ao processo de design sprint, com alguns materiais como post-its, caneta e papel.

 

design sprint

 

1º Dia – Entender e Definir

 

O primeiro dia de Design Sprint foca no entendimento do problema proposto pela equipe como um todo. Nessa etapa todos os membros da equipe irão compartilhar seus conhecimentos sobre aquele problema para identificar onde as visões se encontram e onde são assimétricas. A partir disso, é possível definir exatamente qual o problema e começar a buscar soluções.

 

2º Dia – Divergir

 

No segundo dia, a ideia é explorar tantas soluções quanto for possível. Diferente do brainstorming, nessa etapa cada indivíduo do time vai começar trabalhando sozinho para desenhar soluções detalhadas no papel. Esse processo individual acontece para que as melhores ideias sobrevivam, não só aquelas que são mais bem vendidas por alguém do grupo. Depois disso, toda a equipe avalia em conjunto os sketches feitos pelos membros.

 

3º Dia – Decidir

 

Com diversas soluções em mãos, o terceiro dia é o momento de tomar as decisões. Assim como no processo anterior, essas decisões são tomadas de forma democrática, junto com todos os membros da equipe. Após escolhida uma solução para prototipagem, já é possível começar a desenhar o storyboard que funcionará como um mapa para o protótipo.

 

4º Dia – Prototipar

 

No quarto dia, a solução escolhida tomará forma, resultando em um protótipo de média ou alta fidelidade para ser testado com usuários reais. Esse dia precisa ser muito produtivo e encarado de forma realista, considerando que serão apenas 8 horas para o desenvolvimento do protótipo. A melhor forma de fazer isso é com ações bem designadas e uma equipe funcionando em sinergia.

 

5º Dia – Validar

 

Depois de todo o trabalho nas etapas anteriores, está na hora de descobrir se a ideia escolhida é realmente útil. Esse é o momento de mostrar os protótipos para os potenciais usuários do produto. O usuário deve interagir com o seu protótipo e entregar um feedback real sobre que experiência. Ao final do teste, a equipe se reúne para decidir se a ideia sobrevive ou não. O resultado do Design Sprint é um modelo tangível e já extensamente debatido como ponto de partida para um desenvolvimento muito mais assertivo e informado.

 

Quer começar a utilizar a metodologia de Design Sprint nos seus projetos? A Google Ventures te acompanha pelos cinco dias de ação na série de vídeos em inglês que você pode ver aqui.

 

 

Design sprint: conceito e aplicação para potencializar a inovação
Avalie esse post
Você pode também gostar