Repensar um produto já criado é tão catártico quanto esgotante. Uma das atividades mais recorrentes em áreas como o design, a publicidade e a redação é a refação e retrabalhos, muitas vezes desnecessários.

 

Apesar de desgastantes, eles são fundamentais (na medida do bom senso) para que um trabalho chegue o mais próximo possível daquilo que o cliente deseja. Aqui estão as coisas mais difíceis que você terá que fazer para que um redesign aconteça e as melhores formas de encará-las de frente.

 

1. Identifique o coração do redesign

 

Normalmente, passar de um produto versão 1 para um versão 2 não começa como um “redesign total”, mas como uma mudança menor para um componente fundamental, o que acaba afetando tudo.

 

Quando você entra para fazer uma alteração no funcionamento de qualquer funcionalidade, pode ser que haja uma mudança no foco do negócio e um sinal de amadurecimento da visão. É essencial perceber se o novo design se trata de uma mudança no modelo de negócios ou se possui outro objetivo principal e focar nele durante todo o processo.

 

2. Reconheça e preencha as lacunas na experiência da sua equipe

 

Se você criou um produto, encontrou os pontos fortes da sua equipe e os traduziu em algo valioso, você provavelmente está orgulhoso disso. Mas você está redesenhando seu produto porque ainda não é a melhor versão dele, o que provavelmente também significa que sua equipe ainda não é perfeita.

 

Depois de identificar de que modo realmente serão feitas as mudanças em seus produtos, não na superfície, mas no propósito real delas, você terá que parar por um momento e considerar se possui toda a experiência necessária para realizar essa mudança. Ao passar de um foco fundamental do lado da oferta para um foco de crescimento no lado da demanda, talvez seja preciso aumentar sua equipe ou reorganizar os papeis.

 

3. Deixe para lá o que não está funcionando

 

A parte mais difícil da mudança é deixar ir. Quando você está no meio de um novo design, tentando obter um bom fluxo de ideias e progredir todos os dias, a maior coisa que o atrapalha é a fidelidade ao que você já construiu. Terminar tarefas, construir coisas, liberar criações para o mundo: essas coisas são ótimas. Mas quando você está redesenhando, está limpando a casa, o que significa jogar fora parte do trabalho que você e sua equipe fizeram. Geralmente isso parece terrível.

 

Soltar isso ajuda a ter novas perspectivas na conversa quando você está tentando descobrir o que manter e o que deve colocar de novo em seu produto. No entanto, em qualquer reformulação, você terá que refazer um pouco do que já fez e lançar coisas trabalhosas no lixo. Pense nisso como experiências que você usou para aprender o verdadeiro mandato de seu produto, porque esse é o verdadeiro valor de sua primeira versão.

 

4. Volte da visão para a execução

 

Gastar tempo visualizando seu produto coloca você em um novo estado de espírito. Antes do redesign, seu pensamento cotidiano sobre produtos é dominado pelos aspectos práticos cotidianos de manutenção e desenvolvimento de uma ferramenta técnica. Mas durante o redesign, todos precisam mudar para uma visão muito mais ampla: mudar do modo de execução cotidiana para o modo de visão.

 

Aqui está o problema: depois de ter resolvido o conceito e o design de quaisquer alterações importantes no produto, você terá que voltar do modo de visão para a execução. Fazer esse switch parece errado quando você está no modo de visão, porque colocar o foco na execução tende a impedi-lo de pensar mais. Mas as visões não têm usuários, os produtos têm. E quando você faz um esforço consciente para voltar à execução, pode começar a transformar a nova visão em uma realidade tangível e utilizável.

 

5. Deixe de lado o seu ideal de versão

 

A última parte de um novo design é a prática sobre o que você pode fazer e o que você não pode fazer. Uma nova visão de produto dá à equipe um novo senso de propósito, mas parte da construção do sonho é trazê-lo à terra. Depois de criar sua versão 2, você precisa aceitar que as visões são perfeitas, mas os lançamentos de produtos não são.

 

Desta vez, fazer um balanço é diferente de analisar o seu produto 1 durante o novo design, porque não se trata de jogar fora o que não funciona. É sobre descobrir qual é a espinha dorsal da sua nova visão e construí-la primeiro. Volte para o coração do seu novo design, o que você identificou no começo, e delineie apenas as partes da sua nova visão que compõem esse coração. Construa aqueles primeiro. O resto é roteiro.

 

5 passos para lidar com a necessidade de redesign
Avalie esse post
Você pode também gostar