Uma das melhores definições de compaixão vem do estudioso tibetano Thupten Jinpa. Jinpa é o antigo tradutor inglês do Dalai Lama. Jinpa define compaixão da seguinte forma: “Compaixão é um estado mental dotado de um sentimento de preocupação com o sofrimento dos outros e aspiração de ver que o sofrimento é aliviado.”

 

Especificamente, ele define a compaixão como tendo três componentes:

 

  • Um componente cognitivo: “Eu entendo você”
  • Um componente afetivo: “Eu sinto por você”
  • Um componente motivacional: “Eu quero te ajudar”

 

O benefício mais convincente da compaixão no contexto do trabalho é que a compaixão cria líderes altamente eficazes. Para se tornar um líder altamente eficaz, você precisa passar por uma transformação importante.

 

Essa mudança é a transformação de “eu” para “nós”. É o processo mais importante que os líderes passam para se tornarem autênticos. De que outra forma eles podem liberar o poder de suas organizações, a menos que eles motivem as pessoas a atingirem seu pleno potencial?

 

Se nossos funcionários estão apenas seguindo nossa liderança, então seus esforços estão limitados à nossa visão e nossas direções. Somente quando os líderes param de se concentrar em suas necessidades pessoais de ego, eles são capazes de desenvolver outros líderes.

 

A prática da compaixão é sobre ir de si para os outros. De certo modo, compaixão é passar de “eu” para “nós”. Então, se mudar de “eu” para “nós” é o processo mais importante de se tornar um líder autêntico, aqueles que praticam compaixão já saberão como e terão uma vantagem inicial.

 

É preciso um tipo muito especial de líder para levar uma empresa de bondade a grandeza. Jim Collins, no livro Good to Great: Why Some Companies Make the Leap… and Others Don’t, os chama de líderes “Nível 5”. Estes são líderes que, além de serem altamente capazes, possuem também uma mistura paradoxal de duas qualidades importantes e aparentemente conflitantes: grande ambição e humildade pessoal.

 

Esses líderes são altamente ambiciosos, mas o foco de sua ambição não é neles mesmos: em vez disso, eles são ambiciosos para o bem maior. Porque sua atenção está voltada para o bem maior, eles não sentem necessidade de inflar seus próprios egos. Isso os torna altamente eficazes e inspiradores.

 

Uma liderança eficaz não pode prevalecer em circunstâncias negativas, como insultos, desonestidade, demandas, frustração, denigração, manipulação, medo ou microgestão. Essas forças negativas criam alta rotatividade, falta de produtividade, falta de motivação e atitude negativa naqueles que precisam produzir.

 

Para ser ótimo, os líderes devem ter a empatia necessária para inspirar compreensão e conhecimento nos membros da equipe. Empatia é a chave. A empatia começa com a compreensão da vida a partir da experiência e percepção do outro.

 

liderança

 

A empatia abre as portas e elimina a confusão. Isso suaviza as mentes e corações dos outros. Quando as pessoas estão abertas, é exatamente nesse momento que o líder compassivo pode ser mais criativo na solução de problemas de maneiras que impulsionam a produtividade e o sucesso a longo prazo. A seguir estão sete traços de uma liderança compassiva e como incentivá-los.

 

1. Aprendizagem

 

Líderes compassivos entendem que não importa quão grandes eles pensem que sejam, eles ainda estão cercados por outras pessoas inteligentes que estão cheias de ideias para aprimorar suas habilidades e conhecimentos e liderar de maneira ainda mais eficaz.

 

Quando os líderes operam como se soubessem de tudo, eles se endurecem diante de novas idéias, assumindo obstinadamente que não têm mais nada a aprender para ser efetivo em seu papel. Não há compaixão nessa mentalidade. Liderança requer aprendizado.

 

Liderança é a soma total dos erros cometidos com o aprendizado e crescimento necessário para permanecer paciente, embora persistente, em seus objetivos. Líderes compassivos possuem a modéstia de buscar continuamente feedback sob o sistema de crenças de que só podem aumentar sua equipe na medida em que crescem.

 

2. Remover barreiras

 

Líderes compassivos mergulham na rotina diária com sua equipe, ajudando-a a enfrentar e resolver problemas que estão prejudicando a produtividade ou impedindo a comunicação. Os líderes precisam entender os padrões emocionais internos de cada membro da equipe, quais padrões os retêm e quais os promovem para o sucesso.

 

Os líderes precisam ajudar os membros da equipe a trabalharem com seus pensamentos derrotistas e incentivar novos padrões de pensamento para ajudá-los a ter mais sucesso no futuro. Uma vez que os membros da equipe começam a pensar em termos de sucesso em vez de fracasso, os líderes têm o papel de ajudar os membros da equipe a falar sobre maneiras de remover quaisquer barreiras externas.

 

3. Impacto

 

Líderes compassivos vivem para ajudar os outros e não deixam espaço para o egoísmo nas equipes que lideram. A ganância não tem lugar para prosperar quando o egoísmo não faz parte do programa. Esses líderes vivem com uma atitude de abundância e preferem ver o que os membros da equipe precisam e não o que os membros da equipe não estão fazendo.

 

Líderes compassivos não deixam espaço para o pessimismo. Eles vêem os desafios com interesse e não com medo. Essa atitude dá o tom para os membros da equipe e mantém a motivação elevada. Para esses líderes, o sucesso é menos sobre riquezas ou fama e mais sobre ter um impacto positivo profundo e duradouro em todos os que são atendidos. O líder compassivo procura entender as pessoas, sabendo que a compreensão é a porta para ter o maior impacto em guiar os outros.

 

4. Influência

 

Líderes compassivos buscam influência, não autoridade. Eles não exigem, eles incentivam. Eles lideram com esperança. Eles orientam, reconhecem e apoiam os membros da equipe para combinar seus esforços, habilidades, talentos, insights, paixão, entusiasmo e compromisso de trabalhar juntos para o bem maior.

 

Esses tipos de líderes encontram seu propósito em melhorar a vida dos outros. Líderes compassivos usam o poder de seu papel para levar os outros à descoberta de seu próprio poder único. Eles vêem o crescimento e desenvolvimento das pessoas que lideram e as comunidades que eles servem como os grandes fabricantes de seu sucesso.

 

5. Paixão

 

Líderes compassivos entendem que as pessoas que são motivadas querem fazer parte de algo significativo e influente. Esses líderes têm uma profunda preocupação sobre como os membros da equipe se sentem e o que estão tirando da experiência de trabalho. Eles fazem tudo o que podem para inspirar os membros da equipe a dar nada menos do que o seu melhor.

 

Liderar requer a habilidade de inspirar paixão em outras pessoas que podem não saber como entrar em contato com elas por conta própria. Esses líderes incentivam os membros da equipe a abordarem cada tarefa que realizam, até os mínimos detalhes, com determinação. Esses tipos de líderes são poderosos porque entendem que o sucesso vem para aqueles que se dedicam totalmente a uma causa.

 

6. Equipe

 

Líderes compassivos sustentam a sabedoria de que grandes coisas na vida ou nos negócios nunca são realizadas por uma só pessoa. A excelência é um esforço de grupo, seja uma equipe, uma empresa, uma sociedade ou uma civilização inteira. Para que as equipes tenham sucesso, elas precisam de líderes que as apoiem e orientem para que fiquem focadas, especialmente quando as apostas são altas.

 

Os líderes compassivos reúnem os membros da equipe para trabalhar como uma unidade funcional. Eles estabelecem as bases para que sua equipe tenha a melhor chance de sucesso e, em seguida, sentem grande alegria ao sentar e observar os membros da equipe brilharem individual e coletivamente. Esses líderes não têm problema em assumir a liderança quando a equipe está em perigo e não tem problema em pisar para o lado para permitir que sua equipe experimente os sucessos realizados por conta própria.

 

Liderança é sobre criar um olhar compassivo
Avalie esse post
Você pode também gostar